Hipomelanose macular progressiva, hipomelanose dorsal idiopática

O que é?

hipomelanose_tronco dermatologistas

hipomelanose_tórax

Doença da pele que provoca manchas claras nas partes centrais do tronco. Afeta predominantemente adolescentes e adultos jovens, principalmente do sexo feminino. Pode ocorrer em todas as raças, mas é mais comum em pessoas com fototipos altos (pele mais escura).

A causa ainda é indefinida, mas estudos indicam que o microorganismo Propionibacterium acnes teria participação no surgimento das manchas, interferindo na produção da melanina (pigmento que dá cor à pele). Frequentemente, a doença é confundida com a Pitiríase versicolor e a Pitiríase alba.

Manifestações clínicas

A doença se caracteriza pelo surgimento de hipopigmentação (clareamento da pele) no tronco, afetando principamente as regiões centrais, mais comumente no dorso do tórax e região lombar.

Forma manchas arredondadas ou ovalares, que vão aumentando de tamanho e coalescem para formar grandes áreas hipopigmentadas, principalmente na área próxima à coluna vertebral.

As lesões são assintomáticas e não apresentam descamação. Quando expostas à luz de Wood, as manchas ganham coloração avermelhada.

Tratamento

Com o surgimento da hipótese da causa ser o Propionibacterium acnes, foram realizados estudos para o tratamento da doença com um antibiótico específico para a bactéria, durante 3 meses, que mostraram bons resultados, com a repigmentação da pele dos pacientes que completaram o tratamento.

A fototerapia com luz ultravioleta natural ou artificial também é uma opção terapêutica, mas não existe ainda um tratamento que elimine a doença definitivamente, impedindo que as manchas retornem.

 

hipomelanose_tronco dermatologistas

hipomelanose_tronco

 

UM ARTIGO PARA SEU DELEITE E ESTUDO , CASO AINDA TENHA DÚVIDAS …

Anais Brasileiros de Dermatologia

version ISSN 0365-0596

An. Bras. Dermatol. vol.85 no.5 Rio de Janeiro Sept./Oct. 2010

doi: 10.1590/S0365-05962010000500004

INVESTIGAÇÃO

Hipomelanose macular progressiva: estudo epidemiológico e resposta terapêutica à fototerapia

http://www.scielo.br/pdf/abd/v85n5/v85n05a04.pdf

Ida DuarteI; Bianca Ishimoto Della NinaII; Maria Clara GordianoIII; Roberta BuenseIV; Rosana LazzariniV

IProfessora Doutora e Mestre. Professora instrutora de ensino da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo – São Paulo (SP), Brasil
IIMédica Residente do terceiro ano de Dermatologia da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo – São Paulo (SP), Brasil
IIIMédica Residente do terceiro ano de Dermatologia da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo – São Paulo (SP), Brasil
IVMestre em Dermatologia. Médica Assistente da Clínica de Dermatologia da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo – São Paulo (SP), Brasil
VMestre em Dermatologia. Professora instrutora de ensino da Faculdade. Chefe da Clínica de Dermatologia da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo – São Paulo (SP), Brasil

 

LEIA MAIS:

OUTRO ESTUDO DERMATOLOGICO